terça-feira, 23 de junho de 2015

Interminável

Se ele me contasse que pensa nela todos os dias desde que a conheceu, eu acharia exagero. Se ele falasse que ainda tenta se aproximar dela mesmo sem ver ela há mais de cinco anos, eu acharia desespero. Eu iria encher esse amigo de conselhos, tentaria achar graça e daria motivos para ele esquecer. Eu faria tudo aquilo que não funciona comigo, porque só a gente sabe como é ridículo o nosso amor e como ele dura, é interminável. E só é bobo quando não é nosso, quando é dos outros. Essa gente desesperada e exagerada, que gosta e sente saudade, assim como eu.
Bruno Fontes